domingo, 29 de março de 2009

Frank Huis

E aí, né, descemos do nosso ônibus...

... pra um dos lugares mais emocionantes que eu fui em toda minha vida. Primeiro preciso dizer que li O Diário quando era adolescente, acho que tinha uns 13 anos. Fiquei estarrecida, mas com essa idade não dá pra dizer que entendia tudo aquilo tão claramente. Depois disso, sempre me interessei sobre tudo a respeito dessa história toda e pesquisava sobre a Anne coisa e tal. Quando decidimos ir pra Amsterdam, li o livro de novo porque não queria perder absolutamente nada dessa visita. Não sei se isso foi bom ou ruim. Realmente estava tudo muito vivo na minha cabeça, já que tinha relido tudo (e não tinha mais 13 anos). Por outro lado, me emocionei demais. Uma tonta, chorando pra lá e pra cá. Péssimo. Mas foi incontrolável, sacumé? Esse lugar é triste demais, senhor! Claro que eu amei muito ter ido (e iria de novo), mas me mostrou coisas muito ruins. Não que eu seja uma mocinha ingênua que não entende a humanidade, mas ainda assim, tudo ali, exposto e misturado... não guentei.
Isso é um dos postais que comprei na lojinha. Uma vista da cidade em 1949. O azul é o escritório do pai e o verde é o Anexo Secreto. Não tem nenhuma foto de dentro porque não pode tirar, mas o museu fica nas duas casas ao lado e depois tem a casa casa mesmo, essa aí. Cada ambiente do museu conta um pouco da vida dela e das pessoas que moraram ali e também sobre o Holocausto. Há vídeos com depoimentos das amigas de escola dela, já velhinhas; um vídeo da Miep, uma das funcionárias do escritório, contando sobre o dia em que o Otto, o pai, explicou que iria se esconder ali com a família e pediu ajuda a ela, que prontamente aceitou; vídeos dos campos de concentração. É completamente impressionte o vídeo do pai da Anne contando como se sentiu quando leu O Diário e descobriu que, apesar de ter uma relação muito aberta com a filha, mal a conhecia. E ainda tem vparias frases retiradas do livro nas paredes de todo o lugar, o me fez lembrar de tudo e de como fiquei quando li pela primeira vez. Nossa.
Depois que a casa foi invadida, além de levarem as pessoas, levaram também toda mobília do lugar. Quando decidiram fazer daquilo um museu, o Otto pediu que não reconstruisse nada, que deixassem vazio, exatamente como ficou depois da invasão. Em uma das salas, tem uma maquete imensa que foi construida com a ajuda dele e dá pra ter exata noção de como viveram aquelas 8 pessoas durante os dois anos, mas ver aquela casa vazia, só com coisas que não puderam levar como a pia, as escadas, as paredes onde a Anne colava as fotos dos artistas (que ainda estão lá, protegidas por um vidro)... Gente, foi too much pra mim. E então, quando pensei que já tinha visto tudo, tá lá, numa sala grande, sozinho, o Diário original. Putz.

Aqui é a entrada do museu. Tem mais uma casa do lado, também do museu e depois é a casa mesmo.

O lado esquerdo da modelo da foto (ui) é o fundo de todo o complexo.

Chegamos cedo, fomos na primeira turma da visita. Quando saimos, a fila dobrava a esquina. Estas portas de vidro são da lojinha. Trouxe postais, livros, o documentário... Quem quiser, eu empresto tudo =P

Tô bem em frente a casa, com a maior cara de choro. E ainda escondi a plaquinha.
E aqui um dos meus próprios los preferidos ever. Consegui colocar tudo que eu queria. E ainda pude contar minha história.




Duas palavrinhas para o dia de hoje: memorável e inesquecível.

Beijo!

9 comentários:

  1. Amo!
    Mas eu sou a Anne da sua vida..esqueça!
    Love u

    ResponderExcluir
  2. Dan que LO é esse? Por Deus amei esse saquinho! Tb quero!
    Que viagem fantástica que vcs fizeram! Parabéns pelos lindos LOs, estão todos de babar.
    beijo

    ResponderExcluir
  3. Eu li o livro faz um tempão tb. Preciso reler.
    A Cata começou mas parou,deve ter achado triste demais.
    Adorei a história e qdo for a Amsterdam quero conhecer
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Dan do ceu.. que emoção!
    Já li o livro com 13 anos +/-.. mas lendo isso me deu até vontade de reler..!
    E o LO então nem se fala!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Nossa este foi um dos livros da minha adolescência também, imagino o quanto deve ter sido super emocionante. Adoraria vivenciar isto.Seu lo ficou lindo.

    ResponderExcluir
  6. Deve ter sido muito emocionante mesmo. Visitei um abrigo secreto usado durante a segunda guerra em Londres, e me marcou demais. Imagina como deve ser esse museu, que tem uma história muito mais pessoal... adorei seu relato! Quero ir para Amsterdam AGORA! Bjs

    ResponderExcluir
  7. Dan
    Fiquei super emocionada com todo o seu relato.Eu li o livro na adolescencia,Foi uma epoca em que a historia me marcou muito.
    O LO ficou lindo!!!
    Quando eu for para Amsterdam com certeza irei la.
    Bjs

    ResponderExcluir