domingo, 29 de março de 2009

Frank Huis

E aí, né, descemos do nosso ônibus...

... pra um dos lugares mais emocionantes que eu fui em toda minha vida. Primeiro preciso dizer que li O Diário quando era adolescente, acho que tinha uns 13 anos. Fiquei estarrecida, mas com essa idade não dá pra dizer que entendia tudo aquilo tão claramente. Depois disso, sempre me interessei sobre tudo a respeito dessa história toda e pesquisava sobre a Anne coisa e tal. Quando decidimos ir pra Amsterdam, li o livro de novo porque não queria perder absolutamente nada dessa visita. Não sei se isso foi bom ou ruim. Realmente estava tudo muito vivo na minha cabeça, já que tinha relido tudo (e não tinha mais 13 anos). Por outro lado, me emocionei demais. Uma tonta, chorando pra lá e pra cá. Péssimo. Mas foi incontrolável, sacumé? Esse lugar é triste demais, senhor! Claro que eu amei muito ter ido (e iria de novo), mas me mostrou coisas muito ruins. Não que eu seja uma mocinha ingênua que não entende a humanidade, mas ainda assim, tudo ali, exposto e misturado... não guentei.
Isso é um dos postais que comprei na lojinha. Uma vista da cidade em 1949. O azul é o escritório do pai e o verde é o Anexo Secreto. Não tem nenhuma foto de dentro porque não pode tirar, mas o museu fica nas duas casas ao lado e depois tem a casa casa mesmo, essa aí. Cada ambiente do museu conta um pouco da vida dela e das pessoas que moraram ali e também sobre o Holocausto. Há vídeos com depoimentos das amigas de escola dela, já velhinhas; um vídeo da Miep, uma das funcionárias do escritório, contando sobre o dia em que o Otto, o pai, explicou que iria se esconder ali com a família e pediu ajuda a ela, que prontamente aceitou; vídeos dos campos de concentração. É completamente impressionte o vídeo do pai da Anne contando como se sentiu quando leu O Diário e descobriu que, apesar de ter uma relação muito aberta com a filha, mal a conhecia. E ainda tem vparias frases retiradas do livro nas paredes de todo o lugar, o me fez lembrar de tudo e de como fiquei quando li pela primeira vez. Nossa.
Depois que a casa foi invadida, além de levarem as pessoas, levaram também toda mobília do lugar. Quando decidiram fazer daquilo um museu, o Otto pediu que não reconstruisse nada, que deixassem vazio, exatamente como ficou depois da invasão. Em uma das salas, tem uma maquete imensa que foi construida com a ajuda dele e dá pra ter exata noção de como viveram aquelas 8 pessoas durante os dois anos, mas ver aquela casa vazia, só com coisas que não puderam levar como a pia, as escadas, as paredes onde a Anne colava as fotos dos artistas (que ainda estão lá, protegidas por um vidro)... Gente, foi too much pra mim. E então, quando pensei que já tinha visto tudo, tá lá, numa sala grande, sozinho, o Diário original. Putz.

Aqui é a entrada do museu. Tem mais uma casa do lado, também do museu e depois é a casa mesmo.

O lado esquerdo da modelo da foto (ui) é o fundo de todo o complexo.

Chegamos cedo, fomos na primeira turma da visita. Quando saimos, a fila dobrava a esquina. Estas portas de vidro são da lojinha. Trouxe postais, livros, o documentário... Quem quiser, eu empresto tudo =P

Tô bem em frente a casa, com a maior cara de choro. E ainda escondi a plaquinha.
E aqui um dos meus próprios los preferidos ever. Consegui colocar tudo que eu queria. E ainda pude contar minha história.




Duas palavrinhas para o dia de hoje: memorável e inesquecível.

Beijo!

quinta-feira, 26 de março de 2009

Meu novo sonho de consumo...

...morar em Amsterdam.
Apaixonei perdidamente por essa cidade. Eu já sabia que Paris era aquilo, né? SUPER MEGA BLASTER! Já espera que Londres seria o lugar mais legal do MUNDOOOO (e é), mas Amsterdam... Ai... é lá que eu quero morar!
Parece tudo igual, mas ao mesmo tempo não pára de ter coisas diferentes pra olhar. Aquelas casas que são a coisa mais fofa de tudo (que também parecem todas iguais, mas antigamente não tinha número nelas, então eram conhecidas pelas fachadas, portanto são todas diferentes). Os canais, aquelas casas nos canais, aquele monte de bicicletas (mas muitas mesmo)... Uma cidade inteira sem ladeira nenhuma, tudo reto, tudo lindo. Os museus, os parques, a noite...
Tu-do! Amei demais. Me senti numa maquete gigante, tudo perfeitamente planejado e no seu devido lugar. Demaaaaais!!!

Ficamos num lugar perfeito, o bairro dos museus, pertinho da Leidseplein e perto de mais um monte de coisas legais.

Chegamos à noite e aqui começou nosso primeiro dia. Pegando o bonde que falava "tlin dlon... vrinstrensbrat" (tá, essa parada não existe, mas holandês não dá pra entender uma sílaba).
Opa!!! Uma página! De Ams vai dar pra mostrar várias porque meu álbum tá quase pronto. Ueba!!!



Ju na Leidseplein (plein é praça - ó, aprendi), a praça mais badalada da cidade. Parece pequena, mas tem coisa pra caramba. E à noite é super! (depois tem fotos)

Outro lado da praça, onde montaram essa pista e, à noite, ficou liiiiiiiinda iluminada e cheia de gente.

Em frente a Central Station. Bicicletas, bicicletas e mais bicicletas... E uma doida.

E um marido. E mais bicicletas.

Fizemos dos canal buses nosso ônibus mesmo. Fomos pra um tantão de lugares só com esses barquinhos. Ótimos. Quentinhos e com janelonas. E param em vários lugares e depois pega-se o próximo e assim vai. Busão mesmo. Na água.

Mapa dos itinerários que virou página.

Ó que fofa a vista de dentro do barquinho. Não nevou, não, mas olha o gelo na água. Frrrrrrio!

s2
Casa no canal. Foufa!

Gelo.

Rijksmuseum, o maior museu da Holanda. Mesmo em reforma, é lindo de morrer.




City Hall.

Lindão =P
Ai, vou ver tudo de novo agora com vocês. Tô feliz.
Beijos!

terça-feira, 24 de março de 2009

Amsterdam!! Bora?


Até!

quinta-feira, 19 de março de 2009

Último dia =)

Mas isso não é triste não.
As fotos estão fofas e depois tem mais! *pisc*

Este dia também estava liiiiiindo de doer....

Jardin du Luxembourg.
Olha esse tanto de neve e o lago congelado. Quem já viu isso ver e com água se mexendo desacredita.

Pausa pra baguete...

Panthéon de Paris. Tá que o lugar mesmo ninguém vê, né? Só uma maluca pulando com a mão no bolso.

Céu azuuuuul....
Cadê eu?
Vamos na Roda Gigantee? Ueba!



Vamos comer Nutelaa! Uebaaaa!
Ui..



É isso.
Paris é "A" cidade. Não sei se moraria, mas cada esquina é bonita, coisa impressionante.
Adorei tudo. Peguei os dias mais frios e estava feliz da vida com menos 10 graus na cuca.
E ne-vou! Neve linda. Depois, céu azul com chão branco. Memorável. Maravilhoso.
Quero voltar. No inverno, no verão, não importa. Quero voltar.
Beijos!