terça-feira, 22 de setembro de 2015

Madri - dia 03

¿Que tal?
Primeiramente una cosita: se em Barcelona minha Bíblia foi o Passaporte BCN, em Madri, não dei tanta sorte. Não existe nada tão completo sobre a capital como o PBCN, mas esse site me ajudou mucho, principalmente nos dias que escolhemos fazer roteirinho dirigido. Quem vai pra lá, #ficaadica. Colei a imagem aqui principalmente porque queria deixar registrado o quanto nós andamos nesse terceiro dia.  Foi coisa pra cacilda. Mas olha, nem reclamamos. Que cidade boa, amém! Amei!

Nosso bairro não está neste mapa, mas se estivesse, seria na extrema direita, perto de onde está escrito Museo Thyssen. Portanto, pra começar o dia, já andamos até o ponto 1, Puerta del Sol. O que, pra falar a verdade, não era tão longe assim do hotel, mas se olhar no mapa, é o que chamamos de Leste-Oeste, hehehehe. E aí, considerando que fomos em todos esses pontos numéricos, IDA E VOLTA, é muito atletismo, hein. 

Pra variar, não vou falar muito sobre os lugares, mas já digo que é tudo bem turístico, então fica fácil descobrir, hehehe. Começamos pela Puerta del Sol, onde fica o Marco Zero, mais um mundo de gente. Inclusive o Urso e o Madronheiro, símbolo da cidade. Fofo, Nalu adorou.

 E pergunta se ela estava preocupada com os ratos espanhóis do Paraguai. Nunca. Amou.


E aí a Plaza Mayor, que na minha imaginação fértil era maior e com um lado dos quatro lados abertos, hehehe. De onde tirei isso? Mas é mesmo um lugar muito bacana, principalmente as passagens nos cantinhos, e os arredores. Aliás, essa Madri velhinha foi o que realmente me encantou.

 Taí o clichêzão da Praça. Aquele que, aparentemente, conhece tudo do Brasil, principalmente os times de futebol paulistas.

 



Lindo, muvucado e delicioso.


Demoramos muito pra escolher o almoço (e a vontade de comer tudo?), mas depois dessas tapas, queria morrer e ir pro céu espanhol. Que coisa mais deliciosa!

 Nalu, que chegou no Mercado dormindo, acordou pra comer. Obviamente.

Palácio Real.


 Mas linda mesmo é a Almudena. Por fora e por dentro. Lindíssima.

 Este jardim é atrás (ou lateral) do Palácio e a entrada é uma portinha bem tímida numa outra rua. Mas o lugar é uma beleza.


 

Templo de Debod. Dizem, o pôr do sol mais lindo de toda Madri. Não conseguimos comprovar, mas Nalu aprovou o parquinho ao lado.




E as tentativas dela de falar com as outras crianças (não importava a nacionalidade). Muito fofa.

Dica gastronômica do dia (e uma das melhores da viagem toda:

                 
Chegamos "cedo" no hotel e saímos pra jantar no bairro. Buscamos dicas no Foursquare e achamos La Petisa. Todo mundo elogiando a comida e o lugar, o atendimento e tudo mais. Ninguém avisou que era uma baladinha, hehehe. Fomos. Amamos. 



 Comida ótima! E criativa: menu capinha de CD e jogo americano vinil.

 Nalu comilona e baladeira.

E nossa rua muito fofa.

Tô voltando, Madri. Me aguarde.

Beijo!

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Madri - dia 02

Não sei vocês, mas EU ainda estou na Espanha. Inclusive editando as trocentas fotos de Madri. Ai, Madri, essa cidade que eu tanto amei. Ficamos no mesmo bairro dos três museus (Prado, Sofia e Thyssen) e só andar por ali já era o máximo. 



A poucos metros do hotel, estava a Plaza de Cibeles e o Palacio das Comunicaciones, que aliás, é um prédio belíssimo, inclusive por dentro, o que eu só sei graças a internet, porque fui até lá e não tinha visitação. Qué dizê. Mas enfim, só passear por ali já era uma delícia.

No segundo dia da cidade, exploramos a vizinhança: fomos ao Prado. Eu estava ansiosíssima por Goya, Velazquez e afins, mas o mais legal? Levar a Nalu. 


Obviamente não fiquei fotografando o museu (até porque minha visita foi de metade do tempo que gostaria - em outros tempos, ficaria o dia todo lá dentro), mas UMA fotinho da minha fofa prestando atenção na conversa do pai, eu precisava ter.


Da série "eu que fiz".


O segundo passeio do dia foi o  ma-ra-vi-lho-so Parque Retiro. Esse jardim, logo na entrada, parece um sonho daqueles surreais. Lindo. Acho que fotografei até as formiguinhas de tão abobalhada que fiquei.







 E essas árvores? Dá pra acreditar?



Fiquei boba com esse parque. E olha que não conseguimos andar por ele todo. Tem outros lugares lindos que uma única visita nossa não deu conta. Mas o tempo que passamos lá foi perfeito. Nós, que somos fãs de passeio em parques, achamos este um dos lugares mais lindos da cidade.







É isso mesmo que vocês estão pensando. 

Duas dicas gastronômicas do dia:

Mercado de San Antón. É bem menor que os outros, mas a variedade é excelente. E só coisa boa. Muito descolado e muito delicioso. 


A outra dica merece uma historinha. Li em algum lugar que essa Mamá Framboise é a melhor sobremesa de Madri e coisa e tal. Eu, como não brinco com coisa séria, levei a família. Realmente é uma coiiiisa, só de  olhar já dá vontade de comer tudo. E o que escolhemos (framboesa com pistache, um negócio do céu, sei lá) era delicioso. Enfim. Ana Luísa, que já tinha comido o seu macarrón escolhido, disse que queria outro. Eu, na tentativa de evitar a segunda sobremesa, disse: vai lá VOCÊ pedir pra moça. Esperando que rolasse uma desistência. Acompanhe aí em cima passo a passo da desistência da menina que acha que fala espanhol. 

Beijo!